Buscar
  • Vereador Pedro Kawai

Vereador visita prédio do Poupatempo e pede melhorias à Prefeitura

Pedro Kawai identificou infiltrações que precisam de providências


As fortes chuvas que atingiram Piracicaba nos últimos dias, também causaram danos no prédio do Poupatempo que, recentemente, foi denominado pelo vereador Pedro Kawai (PSDB), como “Jairo Ribeiro de Mattos”, em homenagem ao ex-deputado estadual, falecido em julho de 2020.


Nesta sexta-feira (4), em visita ao local, e, acompanhado pela gerente do posto, Kelly Cristiane Teles Augusto, o vereador percorreu as instalações do Poupatempo e constatou várias infiltrações no teto dos dois pavimentos, o que, provavelmente, tenham sido causadas por vazamentos de água e por sujeira no sistema de drenagem das calhas. No subsolo, logo abaixo do banheiro público da Praça José Bonifácio, há vestígios de bolor e, no piso superior, vários trechos com umidade aparente. Uma parte do teto, junto à lateral do prédio caiu, recentemente, em decorrência das infiltrações.


Acompanhado pela gerente do posto, Kelly Cristiane Teles Augusto, o vereador percorreu as instalações do Poupatempo para verificar seu estado de conservação.


“Por se tratar de um imóvel municipal, a prefeitura tem a responsabilidade de manter o local em boas condições de uso e de segurança para os funcionários e usuários”, comentou Kawai. Ele já encaminhou um pedido de vistoria e de manutenção no local para a prefeitura.


O vereador conta que foi ao Poupatempo para acertar detalhes e conhecer os critérios da instituição, para identificar o imóvel com o nome de Jairo Mattos, que também era escritor, escultor e engenheiro agrônomo. “Aproveitei a visita para colocar o meu mandato à disposição e me surpreendi com os problemas apresentados, os quais, felizmente, são simples de serem resolvidos”, comentou.





Texto e fotos: Assessoria parlamentar

Supervisão: Rodrigo Alves - MTB 42.583

Revisão: Marcelo Bandeira - MTB 33.121

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Lembro-me quando, pela primeira vez, trabalhei na Festa das Nações. Tinha 12 anos e, com meu pai e irmã, ajudei na montagem da barraca japonesa. Limpava e servia as mesas e varria o chão. Me sentia im