Buscar
  • Vereador Pedro Kawai

Vereador reclama de dinheiro guardado e serviços não executados

Pedro Kawai (PSDB) aproveitou para agradecer destinação de emendas para a cidade


Foto: Guilherme Leite - MTB 21.401

O vereador Pedro Kawai (PSDB) destinou uma parte do discurso de 5 minutos regimentais, na 3ª reunião ordinária da Câmara Municipal de Piracicaba, nesta quinta-feira (10), para lamentar a sobra de recursos no caixa da Prefeitura e a falta de atendimento de serviços públicos. “O prefeito disse que tem que guardar dinheiro. Mas dinheiro guardado é serviço público não realizado”, afirmou. “Se sobrou dinheiro do Meio Ambiente, é mato que não foi cortado, na Educação, é escola que não foi atendida. Depois de tanto trabalho, não usar esses recursos é muito complicado”.


Ele comentou sobre o discurso anterior, do vereador Thiago Ribeiro (PSC), a respeito da perda de emendas que haviam sido destinadas para o município. “Não entendo porque fica guardando dinheiro. Fica até complicado porque o Artur (secretário de Finanças, Artur Costa Santos) é o homem do dinheiro na cidade, mas quem manda é o prefeito”, colocou. “É fácil mostrar duas ou três praças que estão com o mato cortado, mas a cidade tem mais de 400 praças públicas, é preciso olhar a cidade como um todo”.


Kawai ainda aproveitou o discurso para agradecer a deputada federal Joice Hasselman (União/SP) pela destinação de emenda no valor de R$ 250 mil para a Santa Casa, R$ 216 mil para o Centro de Reabilitação e R$ 400 mil para recuperação asfáltica de Piracicaba.


Outro lembrete feito pelo vereador foi a respeito do trabalho de pintura da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Piracicamirim. Ele disse ter estranhado o fato de a unidade não ter paralisado o atendimento enquanto passava pela reforma. O discurso completo do vereador pode ser assistido nesta página.



Texto: Aline Macário - MTB - 39.904

Supervisão: Rodrigo Alves - MTB 42.583

Imagens de TV: TV Câmara

108 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Lembro-me quando, pela primeira vez, trabalhei na Festa das Nações. Tinha 12 anos e, com meu pai e irmã, ajudei na montagem da barraca japonesa. Limpava e servia as mesas e varria o chão. Me sentia im