Buscar
  • Vereador Pedro Kawai

Sem controle da prefeitura, capivaras oferecem risco na rua do Porto

Hospedeiras do carrapato estrela, as capivaras circulam livremente em um dos pontos de maior atração turística da cidade


Uma cena inusitada foi registrada pelo vereador Pedro Kawai (PSDB) que, na semana passada, percorreu a área de lazer, junto à rua do Porto, para verificar o estado de conservação do alambrado do campo de futebol: mais de vinte capivaras soltas, transitando livremente por um dos pontos turísticos mais famosos da cidade, sem qualquer controle ou fiscalização da prefeitura.


Apesar de aparentemente inofensivas, as capivaras que habitam as margens do rio Piracicaba podem oferecer risco à população e aos turistas, especialmente, porque são hospedeiras do carrapato estrela, parasita transmissor da febre maculosa, que já causou mortes em crianças e adultos, em Piracicaba.


A preocupação com a possibilidade de os carrapatos se espalharem pelo gramado do campo de futebol, levou o parlamentar a protocolar a indicação nº 1209/2022, que alerta para o fechamento de buracos existentes no alambrado, no entorno do local. “O espaço é frequentado por adultos, jovens e crianças, que estão expostos ao perigo”, observou Kawai.


O vereador classificou como “intrigante” o fato de as capivaras estarem livres, sem qualquer controle da prefeitura, que manteve fechado o Parque da rua do Porto por um período de quatro meses, supostamente para a realização de um projeto-piloto de manejo de carrapatos. “Não entendo como a prefeitura afirma querer reduzir a incidência da febre maculosa, deixando os animas soltos em um dos pontos de maior atração turística da cidade”, disse.


Kawai alertou que, não são apenas as pessoas que correm riscos, mas também os animais, seja por atropelamentos ou pela caça predatória que pode ocorrer, especialmente durante à noite. “O problema está bem diante da sede do governo municipal, que precisa tomar uma providência urgentemente”, concluiu.


Texto e foto: Assessoria parlamentar

42 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Lembro-me quando, pela primeira vez, trabalhei na Festa das Nações. Tinha 12 anos e, com meu pai e irmã, ajudei na montagem da barraca japonesa. Limpava e servia as mesas e varria o chão. Me sentia im