Buscar
  • Vereador Pedro Kawai

Piracicaba terá classificatória de beisebol aberta ao público

O vereador Pedro Kawai é um dos incentivadores da modalidade esportiva na cidade

O Clube Cultural e Recreativo Nipo-Brasileiro de Piracicaba acolherá, no próximo domingo, dia 27, em sua sede campestre, localizada na estrada José Francisco Perez Gonzalez, 2881, Pau d´Alinho, a fase classificatória do Torneio da Amizade “Taça Koshi Yamamoto 2022”, organizado pelo UCES - União Cultural e Esportiva Sudoeste.


A etapa será disputada em quatro campos, de três cidades paulistas: Itapetininga, Piracicaba, e Ibiúna, que terá dois campos, um deles, no CT Yakult. Dela, participarão os seguintes times: Tatuí, Nipo Piracicaba, Pilar do Sul, Itapetininga, Osasco, Ibiúna veteranos, Vargem Grande Paulista, SMAB, Ibiúna Adulto, Sorocaba Eagles, Ibiúna Woodland e Anhanguera Nikkey Clube.


Segundo o vereador Pedro Kawai (PSDB), agora que as medidas sanitárias de prevenção à Covid-19 permitem maior frequência de público em atividades sociais, culturais e esportivas, a disputa do próximo domingo "é uma grande oportunidade para as pessoas conhecerem melhor o esporte, e também para os amantes do beisebol participarem das atividades do time e da cidade, além de atletas de outras modalidades, prestigiarem o evento”.


Um dos coordenadores do beisebol em Piracicaba, Ricardo Yada conta que o beisebol chegou em Piracicaba “na bagagem dos imigrantes japoneses”. “O primeiro torneio foi realizado em 1950”, lembra.


Nesta fase classificatória, Piracicaba disputará vaga para a próxima chave, com as equipes de Tatuí e Vargem Grande Paulista. A etapa final, será no dia 10 de abril, cujo local será definido após o resultado da disputa no próximo domingo em cada campo, quando se classificam oito times, sendo quatro para a chave prata e outros quatro para a chave ouro.


Texto: Assessoria parlamentar

fotos: Nipo Piracicaba

38 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Lembro-me quando, pela primeira vez, trabalhei na Festa das Nações. Tinha 12 anos e, com meu pai e irmã, ajudei na montagem da barraca japonesa. Limpava e servia as mesas e varria o chão. Me sentia im