Buscar
  • Vereador Pedro Kawai

“Modelo cívico-militar não pode ser impositivo”, diz vereador

Pedro Kawai foi conversar com os gestores da escola que rejeitou proposta


O vereador Pedro Kawai (PSDB) foi nesta terça-feira (15) até a escola estadual Maria de Lourdes Consentino, na Vila Sônia, para conversar com o diretor da unidade, Ariovaldo Jacquier de Souza, sobre a rejeição pelo modelo cívico-militar proposto pela prefeitura, em audiência pública realizada na última sexta-feira (11).


De acordo com Souza, dias atrás a escola recebeu a visita do prefeito Luciano Almeida (DEM), que foi propor a realização de uma audiência pública sobre o tema. “A escola é um espaço para ouvir as opiniões”, comentou o diretor. Entretanto, segundo ele, quando representantes da prefeitura propuseram uma votação, a comunidade escolar se manifestou majoritariamente contrária à proposta.


Kawai, que disse estar ouvindo todas as opiniões sobre o modelo de escola no formato cívico-militar, afirmou que não é contra a cidade ter uma escola com esse perfil. Contudo, de acordo com o parlamentar, a decisão não pode ser imposta. “Eu compreendo que a opção deve ser dos pais, e não uma imposição de esferas superiores”, disse.


O vereador citou, como exemplo, as ETECs (Escolas Técnicas Estaduais), que são um modelo híbrido de ensino, com perfil profissionalizante. Ele disse que, no caso das escolas cívico-militares, os proponentes poderiam pensar na construção de uma unidade específica. “A prefeitura poderia doar o terreno e os recursos para a construção, poderiam vir por emendas parlamentares ou recursos da União. Assim, a decisão de matricular os filhos seria dos pais”, considerou.


No entendimento do parlamentar, não se trata de ser contrário ou favorável por razões ideológicas. “O que está em jogo, é o direito das pessoas decidirem se querem ou não que seus filhos estudem em uma escola transformada, da noite para o dia, em um formato diferente do que sempre teve. E isso precisa ser respeitado”, completou.




Texto e foto: Assessoria parlamentar

Supervisão: Rodrigo Alves - MTB 42.583

Revisão: Marcelo Bandeira - MTB 33.121

166 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Lembro-me quando, pela primeira vez, trabalhei na Festa das Nações. Tinha 12 anos e, com meu pai e irmã, ajudei na montagem da barraca japonesa. Limpava e servia as mesas e varria o chão. Me sentia im