Buscar
  • Vereador Pedro Kawai

Em reunião solene, Câmara celebra trabalho de vicentinos e catequistas

Vicentinos contribuem com a sociedade piracicabana através do auxílio aos pobres; catequistas são voluntárias na evangelização de crianças, jovens e adultos


Foto: Davi Negri - MTB 20.499


O trabalho social dos vicentinos e o serviço de evangelização prestado pelos catequistas, ambos no âmbito da Igreja Católica, foram lembrados através de homenagens, em reunião solene realizada pela Câmara Municipal de Piracicaba na noite desta terça-feira (26), no Salão Nobre “Helly de Campos Melges”.


Os membros da SSVP (Sociedade São Vicente de Paulo), que completou 189 anos de existência em 23 de abril, foram contemplados através do decreto legislativo n º 11/2013, de autoria do presidente da Casa, vereador Gilmar Rotta (PP). “Vocês são merecedores dessa homenagem, têm um papel fundamental na sociedade, no mundo, no Brasil e em Piracicaba”, declarou o autor da honraria. “Enfrentaram a pandemia enquanto muitas pessoas estavam passando fome, levaram carinho e alimento”.


O presidente do Conselho Central Norte Piracicaba da SSVP, João Batista Alves, lembrou que, durante o período mais crítico da pandemia, as conferências vicentinas da cidade distribuíram mais de 619 toneladas de alimentos às famílias pobres. “Não somos entregadores de cestas básicas e nem assistencialistas, nós sonhamos com a transformação da sociedade”, colocou. Ele compôs a mesa, na reunião solene, com o presidente do Conselho Central de Piracicaba, Luis Antonio Pavilhão.


Também participou da homenagem o vereador de São Pedro, Luciano Mazzonetto (Podemos), que é vicentino aspirante. "Esse é o ensinamento: não ficar só no pensamento, mas fazer as ações e levar o bem às pessoas", discursou.


Foram homenageados na solenidade os vicentinos: João Stabelin, da Conferência São Lucas; Lásaro Nelson Rocha e Sueli Aparecida Bacchini Rocha, da Conferência Santa Cruz e São Dimas; Milton Aparecido de Brito, da Conferência Santa Edwiges; Oscar Rubens Tristão, da Conferência São Lázaro e Roberto Matiolli, da Conferência Menino Jesus.


“Não fazemos nada mais do que a nossa obrigação como cidadãos e como cristãos”, disse o vicentino Roberto Matiolli, em nome de todos os homenageados. “Fazemos porque o nosso coração é para isso. O vicentino entra onde ninguém quer ir porque tem medo, mas o vicentino vai porque sabe que Jesus está com ele”.


Catequistas – O trabalho de evangelização desenvolvido pelos catequistas também foi lembrado na solenidade, através do requerimento 109/2022, de autoria do vereador Pedro Kawai (PSDB). A comemoração foi instituída através do decreto legislativo 23/2011, de autoria da ex-vereadora Márcia Pacheco.


“Estamos aqui para celebrar a construção da fé através dos catequistas, raízes da igreja, que fortalecem e transmitem a fé”, colocou Kawai, durante a solenidade. “Eles contribuem para a compreensão dos sacramentos, para que a Igreja Católica seja pujante”.


Também compôs a mesa da solenidade o responsável pela animação catequética da Diocese de Piracicaba, padre Henrique Dionísio Assi, vigário da Paróquia São José. “O catequista conduz as pessoas para o mistério do Cristo, leva os outros a fazerem a experiência com Cristo”, avaliou.


Na solenidade, foram homenageadas as catequistas: Carolina Gonçales Pereira, da Catedral de Santo Antônio; Eneida Medina Dutra da Silva, da Paróquia Nossa Senhora dos Prazeres; Mariliza Elizabet Martins de Arruda, da Paróquia São Paulo Apóstolo; Rejane Helena dos Santos Veríssimo, da Paróquia São Judas Tadeu; Rita de Cassia da Cruz, da Paróquia São Francisco Xavier e Teresinha Papete Ribeiro, da Paróquia Sant’Ana.


A catequista Eneida Medina, em nome das demais homenageadas, agradeceu a Deus pela vocação de levar adiante a experiência com Jesus. “As catequistas são ungidas e consagradas para Deus, são escolhidas para anunciar”, disse.


Também compôs a mesa na solenidade o vereador Paulo Camolesi (PDT) que, ao usar a palavra, disse que o catequista é como um artesão que lapida uma joia bruta. "A missão do catequista é fazer da criança um tabernáculo, que vai receber Jesus vivo na Eucaristia", comparou. "E é muito sagrada a missão dos vicentinos, quando é feita com amor e com doação".







Texto: Aline Macário - MTB - 39.904

Supervisão: Rodrigo Alves - MTB 42.583

88 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Lembro-me quando, pela primeira vez, trabalhei na Festa das Nações. Tinha 12 anos e, com meu pai e irmã, ajudei na montagem da barraca japonesa. Limpava e servia as mesas e varria o chão. Me sentia im