Buscar
  • Vereador Pedro Kawai

Divulgador da cultura japonesa, vereador destaca torneio de beisebol

Primeiro parlamentar de origem japonesa na cidade, Pedro Kawai destaca que o Clube Nipo-Brasileiro recebe jogos neste domingo, 27

Primeiro vereador descendente de japonês em Piracicaba, Pedro Kawai (PSDB) também atua na divulgação da cultura do País de origem de sua família e comemora que, com a melhoria nos índices da pandemia, acontecerá neste domingo, 27, a fase classificatória do Torneio da Amizade “Taça Koshi Yamamoto 2022”, organizado pela UCES (União Cultural e Esportiva Sudoeste).


“É uma grande oportunidade para as pessoas conhecerem melhor o beisebol, e também para os amantes do esporte participarem das atividades do time e da cidade, além de atletas de outras modalidades prestigiarem o evento”, disse.


A etapa será disputada em quatro campos, de três cidades: Itapetininga, Piracicaba e Ibiúna, que terá dois campos, um deles no CT Yakult. Participarão times Tatuí, Nipo Piracicaba, Pilar do Sul, Itapetininga, Osasco, Ibiúna veteranos, Vargem Grande Paulista, SMAB, Ibiúna Adulto, Sorocaba Eagles, Ibiúna Woodland e Anhanguera Nikkey Clube.

Um dos coordenadores do beisebol em Piracicaba, Ricardo Yada conta que o beisebol chegou na cidade “na bagagem dos imigrantes japoneses”, sendo que o primeiro torneio foi realizado em 1950.


Na fase classificatória, Piracicaba disputará vaga para a próxima chave, com as equipes de Tatuí e Vargem Grande Paulista. A etapa final será em 10 de abril, cujo local será definido após o resultado da disputa deste domingo, quando se classificam oito times, quatro para chave prata e quatro para a chave ouro.


Os jogos serão na sede campestre do Clube Cultural e Recreativo Nipo-Brasileiro de Piracicaba, localizada na estrada José Francisco Perez Gonzalez, 2881, no bairro Pau d’Alhinho.




Texto: Assessoria parlamentar

Supervisão: Rodrigo Alves - MTB 42.583

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Lembro-me quando, pela primeira vez, trabalhei na Festa das Nações. Tinha 12 anos e, com meu pai e irmã, ajudei na montagem da barraca japonesa. Limpava e servia as mesas e varria o chão. Me sentia im