Buscar
  • Vereador Pedro Kawai

De mão dupla, rua em frente a escola traz riscos a alunos

Pedido por estudos para aumentar a segurança no local foi feito pela direção da Escola Municipal "Professor Santo Granuzzio" e por pais de alunos a Pedro Kawai.


Atendendo à solicitação de mães e pais de alunos da Escola Municipal "Professor Santo Granuzzio", no Parque Chapadão, o vereador Pedro Kawai (PSDB) esteve na unidade, acompanhado da diretora, Simone Alonso, que apontou a preocupação da comunidade em relação ao trânsito em frente ao estabelecimento de ensino.


De mão dupla, a rua dos João de Barro registra no período de entrada e saída dos alunos fluxo intenso de carros, vans e ônibus. A diretora relatou que a mão dupla deixa o local "ainda mais perigoso" —só de alunos, são quatro ônibus que desembarcam em frente à escola, sendo que "não há vaga para todos", segundo Simone.


Um grupo de pais solicitou ao vereador que intervenha junto à Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana, Trânsito e Transportes por mais vagas especiais para embarque e desembarque dos alunos, pela instalação de uma faixa de pedestres elevada e pela elaboração de estudo para implantar mão única na rua dos João de Barro.


A direção da escola também solicitou a poda de uma árvore, no interior da unidade, que, com muitos galhos sobre a caixa d'água, pode causar futuros danos ao equipamento.


Kawai parabenizou Simone pela condução da escola e disse que vai solicitar, por indicação, às secretarias envolvidas, "as manutenções e adequações necessárias para segurança dos alunos e funcionários".


"A escola está muito bem cuidada. Nossa preocupação com os alunos é constante, e isso abrange a qualidade do ensino, o espaço físico da escola, se a merenda está de acordo e, também, a segurança na chegada e saída das crianças", declarou o vereador.


Texto e fotos: Assessoria parlamentar

Supervisão: Rodrigo Alves - MTB 42.583

Revisão: Ricardo Vasques - MTB 49.918

305 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Lembro-me quando, pela primeira vez, trabalhei na Festa das Nações. Tinha 12 anos e, com meu pai e irmã, ajudei na montagem da barraca japonesa. Limpava e servia as mesas e varria o chão. Me sentia im