Buscar
  • Vereador Pedro Kawai

Anvisa autoriza venda de autotestes em farmácias

Fabricantes e importadores deverão solicitar autorização para poder colocar produto no mercado


Foto: Reuters


Os autotestes para a detecção da Covid-19 foram aprovados pontem (28), pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). A medida já era aguardada pela sociedade, tendo em vista a enorme procura pelo dispositivo, que desapareceu das prateleiras das unidades de saúde pública e de vários convênios médicos, com a explosão de casos da variante Ômicron.


De acordo com a decisão da Anvisa, os testes poderão ser adquiridos em farmácias, drogarias e outros estabelecimentos de saúde devidamente licenciados. A venda pela internet só será liberada se for feita pelas plataformas de estabelecimentos de saúde já autorizados.


Contudo, os sites de e-commerce como Amazon, Mercado Livre entre outros não terão permissão para comercializar os testes. Porém, os governos federal, estaduais e municipais poderão comprar os testes e distribuí-los à população.

A liberação dos testes não significa que eles já poderão ser comprados diretamente em farmácias ou drogarias. Fábricas e importadores deverão solicitar autorização para a Anvisa para, só depois, poderem comercializar os autotestes.


Segundo o vereador Pedro Kawai (PSDB), " O auto teste é mais uma ferramenta importante no combate ao vírus, agiliza o atendimento e pode baixar e muito a procura nas lotadas unidades de saúde”. Ele explica que, “por exemplo, aquele paciente que está negativo não precisa ir até as unidades, evitando, assim, o contato com os positivados”.


Os detalhes sobre a comercialização dos testes ainda não estão claros, como os valores, por exemplo, fato que preocupa o vereador: “temo que os testes não sejam acessíveis aos mais humildes, pois com tanta procura, os valores poderão ser maiores do que se espera”, comentou.


Texto: Assessoria parlamentar

20 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Lembro-me quando, pela primeira vez, trabalhei na Festa das Nações. Tinha 12 anos e, com meu pai e irmã, ajudei na montagem da barraca japonesa. Limpava e servia as mesas e varria o chão. Me sentia im